Nos últimos anos temos percebido que ao invés de as políticas públicas estarem voltadas para o desenvolvimento sustentável, as mesmas estão em desencontro com as propostas de todos os países que buscam crescer e ao mesmo tempo equilibrar a utilização dos recursos naturais.

No Brasil, desde a Eco Rio 92, que estabeleceu a agenda de compromissos globais, a Agenda 21 – composta por 21 compromissos para melhorar as relações do homem com a natureza -, pouco se tem feito, ou ainda há muito para se fazer. Estamos em momentos de discussões sobre a Agenda 2030, que propõe além de revisar as propostas do século passado, criar um movimento positivo de relações que garantirão a perpetuação da espécie humana no planeta e dos demais seres vivos. Porém, os dados não são tão positivos, segundo estudos do Imazon – Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia. Segundo o Instituto, o aumento do desmatamento na Amazônia chegou a 22% em relação a períodos anteriores.

Os estados mais afetados são: Mato Grosso, Pará e Amazonas. O avanço da fronteira agrícola, a mineração e a criação de bovinos têm acelerado o desmatamento que está descontrolado. Por um lado, temos uma legislação dura, ou seja, uma lei que criminaliza os danos causados ao meio ambiente, e por outro lado, vemos a ineficiência estatal para se fazer cumprir a legislação.

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) vem monitorando através de imagens do Landsat, ou seja, com precisão de 30 m, o que vem ocorrendo na Amazônia. O reflexo disso são as mudanças climáticas, a extinção de espécies nativas e em especial a migração de populações em decorrência da ocupação destas áreas.

O pasto tomou conta da floresta, e atualmente temos uma população maior de bovinos na Amazônia do que de pessoas. É lamentável que o modelo estabelecido para região não atenda as políticas públicas tão debatidas e formalizadas e importantes eventos já realizados no Brasil e no exterior.

A outra situação que preocupa são as unidades de conservação, que estão sendo desmatadas apesar de serem protegidas. O exemplo mais atual é a Floresta Nacional do Jamanxim, no sudoeste do Pará, que de janeiro a maio desse ano sofreu a devastação de uma área de 57 quilômetros quadrados. E o que mais chama atenção é que no Congresso Nacional há projetos de Lei para diminuírem a extensão das reservas ambientais brasileiras. O Ministério do Meio Ambiente aplicou algumas multas, mas que são ineficientes quando outros interesses estão acima de tudo, o que não são interesses socioambientais.

Autor: Rodrigo Berté, diretor da Escola Superior de Biociências do Centro Universitário Internacional Uninter.

Previous post

Com apoio da Uninter, Paranavaí recebe ações solidárias neste sábado

Next post

PREMIADO NO EXTERIOR, SPIRE 3 DA 361° CHEGA AO BRASIL

Página 1 Comunicação

Página 1 Comunicação