Além de estudo, é preciso ter vivência para garantir vaga em instituições de ensino estrangeiras

Com 17 anos, Fabio Novack da Silva enfrenta um dilema que vários jovens gostariam de ter: escolher o País em que estudará pelos próximos anos. Ele já conta com seis aprovações em universidades estrangeiras e três no Brasil. Agora está avaliando qual a instituição que mais se adequa ao seu perfil.

De acordo com o estudante do Colégio Marista Cascavel, no oeste do Paraná, a preparação para estudar fora começa desde cedo. “Desde que comecei a pensar em universidades, me interessei pelas escolas do exterior. Por isso procurei me preparar para as seleções, que levam em conta toda a vida do aluno”, conta. São consideradas as notas desde o 9º ano, assim como cartas de recomendação de professores e tutores.

Para especialistas, a primeira diferença entre as universidades brasileiras e as instituições de outros países está na fase de seleção. “Enquanto aqui apenas uma prova seleciona os candidatos, nos Estados Unidos, por exemplo, há oito quesitos que são levados em consideração e que envolvem os sete tipos de inteligência”, explica o consultor da Daquiprafora, Pedro Lunardelli. A Daquiprafora é uma empresa que apoia estudantes desde a escolha da instituição até a rotina no outro País.

Ter habilidades, aptidões e hobbies também conta bastante para ser aprovado, pois as universidades procuram pessoas com interesses diversos mas que tenham ideias e propósitos que sejam valiosos para a instituição. Silva contou com a experiência que teve no sítio dos avós e com as atividades extracurriculares da escola. “Todas as oportunidades são importantes. As ações solidárias são ótimas para agregar vivência não só para o currículo, mas para nossa vida”, pondera. Durante a vida escolar, Fabio contou com uma formação integral, focada na área acadêmica, pessoal e social. Luciana Faria, coordenadora do Ensino Médio do Colégio Marista Cascavel, conta que o objetivo é formar um aluno pesquisador, comunicador e solidário, o que são características desejáveis nas seleções de instituições do exterior. “Procuramos desenvolver habilidades e competências para todas as provas da vida, inclusive o acesso às universidades internacionais. Entre os projetos que os alunos participam estão a Pastoral Juvenil Marista, Olimpíadas do Conhecimento, atividades esportivas e culturais, aprofundamentos, entre muitos outros”.

Dominar o inglês também é um fator importante para quem planeja estudar fora do Brasil. A coordenadora de Internacionalização do Colégio Marista Cascavel, Irmgarth Krauspenhar, recomenda que o aprendizado de uma segunda língua comece desde cedo. “Quanto antes uma pessoa for exposta a um novo idioma melhor. Assim como acontece com a língua materna, a exposição ao novo idioma deve ser iniciada na primeira infância, quando ainda estamos desenvolvendo todo o repertório linguístico. Não há mágica alguma, há exposição continuada”, recomenda.

Assim como Fábio Silva, em 2018 cerca de 300 mil brasileiros fizeram registro em instituições em diferentes países. O número deve crescer, seguindo a tendência dos últimos anos e em virtude de possibilidades, como a aceitação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em outros países, por exemplo.

Previous post

Dia das Mães do Shopping Pátio Higienópolis tem Presente da L’Occitane en Provence

Next post

Shopping reúne Nando Reis e Paula Toller em "Show de Mães"

Página 1 Comunicação

Página 1 Comunicação