Cancelamentos de feiras e fechamento de museus durante a quarentena levam instituições a apostar cada vez mais em ações digitais

Um panorama do cenário internacional das artes, diante da pandemia do novo coronavírus, que levou ao isolamento social em todo o mundo, é destaque na edição de abril da revista Casa Vogue. O cancelamento de algumas das principais feiras do segmento, como TEFAF (Maastricht, Holanda) e SP-Arte (São Paulo, Brasil), além do fechamento de museus e galerias, leva o setor a repensar formatos e buscar alternativas para driblar a crise.

O texto traz declarações de importantes nomes do setor, como Cleber Papa, diretor cultural do Museu da Imagem e do Som (MIS), Fernanda Feitosa, diretora e fundadora da SP-Arte, e JochenVolz, diretor da Pinacoteca do Estrado de São Paulo. Todos apontam uma única direção: a utilização do meio digital para a sobrevivência em tempos de Covid-19.

 “Uma vez superada a crise, muitas indústrias vão sair disso com uma nova dinâmica. Todos nós que trabalhamos remotamente vamos desenvolver formas diferentes de interação com o público em geral”, reflete Fernanda Feitosa, diretora e fundadora da SP-Arte.

Ao longo da matéria são apresentadas as medidas adotadas pela SP-Arte, que estava marcada para abril, pelo MIS, após suspensão da mostra “John Lennon em Nova York por Bob Gruen”, e pela Pinacoteca, para a exposição dos grafiteiros OSGEMEOS.  Confira texto na integra na próxima edição da Casa Vogue, chega às bancas no dia 06 de abril.

Sobre a Casa Vogue

Casa Vogue é a revista de maior prestígio do Brasil em decoração, design, arquitetura e lifestyle. Autoridade máxima em comportamento e tendências, todos os meses ela encanta e inspira os amantes do bom viver.

Previous post

Prefeitura de Munhoz divulga medidas contra coronavírus

Next post

A ztrax mudou a forma de fazer ronda no Brasil

Imprensa

Imprensa